Houve um tempo... Por Deise Aur // Houve um tempo... Por Deise Aur // Houve um tempo ,que a vida era simples. Na simplicidade se vivia e o amor se sentia , no gorjeio de um pássaro , no sopro da brisa ! Esse tempo habita nos segredos da Alma,que anseia por revelá-los ! Segredos que guardam a verdadeira REALIDADE e levam ao DESPERTAR do sonho da dualidade! Trazem à tona a VERDADE de um UNIVERSO ,que é percebido pela INTUIÇÃO ! Através de cores,poesias e sutilezas,com muita BELEZA e IMAGINAÇÃO ! Ah,nesse DESPERTAR,é encontrado o elo perdido,no qual DEUS fala com a gente sem palavras e através do silêncio! Sua PRESENÇA se expressa em TUDO! A prova de SUA EXISTÊNCIA é a FORÇA para viver e a capacidade de sentir o invisível! Mesmo em meio as contrariedades e ao imprevisível , superar e continuar sensível ! Apesar da dor e das perdas, seguir em frente ! Amar,perdoar e aceitar o que não pode mudar ! A existência pode ser dura, porém, a Alma faz a diferença com sua CANDURA! Mudanças vão existir, mas ,o Espírito impulsiona à persistir! Para onde for,continua sendo o que é! SER em MOVIMENTO e TRANSFORMAÇÃO ! O AMOR em AÇÃO !

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sejamos como as crianças e os animais ! // Texto de Flavio Siqueira // Não seja agnóstico, nem ateu, nem cristão, nem budista, nem teísta, nem humanista, nem capitalista, nem comunista, nem nada que lhe roube a liberdade para crer, descrer, construir e, se for o caso, desconstruir. Ande com as próprias pernas ou quem sabe voe com suas próprias asas. Que a paz seja seu árbitro na caminhada e a consciência a estrada que lhe projeta sobre o caminho do entendimento e da liberdade. Sejamos como as crianças, os animais, os simples de coração. Eles não tem “ismos” nenhum, não defendem nenhuma tese, nem doutrinas, não se incluem em teoria alguma, no entanto seguem puros em sua ignorância iluminada, na paz de quem sabe, mesmo sem saber que sabe. Felizes, pacificados, alheios às nossas tolas filosofias e discussões, atentos em simplicidade ao que realmente importa. Sejamos livres ! - flaviosiqueira.com

INFINITA PRESENÇA