A aceitação do sofrimento é uma jornada para a morte. Enfrentar a dor profunda, permitir que ela seja, prestar-lhe toda a sua atenção, é entrar conscientemente na morte. Quando você tiver morrido essa morte, compreenderá que não há morte - e que não há nada a temer. Só o ego morre. Imagine um raio de Sol que se esquecesse de ser parte inseparável do Sol, se iludisse a si próprio acreditando que tem de lutar para sobreviver, e criasse e se agarrasse a uma identidade diferente da do Sol. A morte de uma tal ilusão não seria incrivelmente libertadora? Quer ter uma morte fácil? Não preferia morrer sem dor e sem agonia? Então morra para o passado a cada momento e deixe que o brilho da luz da sua presença afugente o eu pesado e escravo do tempo que você julgava ser a sua identidade. Eckhart Tolle

buda vesakha puja daybuddhism

Comentários